Patrocínio/MG

Céu limpo

Min 13
Max 27

Com apoio do Governo Municipal Patrocínio recebe projeto Supera Minas do CREFITO-4

Com apoio do Governo Municipal Patrocínio recebe projeto Supera Minas do CREFITO-4

Com o apoio do Governo Municipal, por meio da Coordenação de Fisioterapia da Secretaria Municipal de Saúde, o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região (CREFITO 4) realizou na tarde desta quinta-feira (09) na Praça Santa Luzia o projeto Supera Minas.

O Programa oferece atendimento fisioterapêutico e de terapia ocupacional, gratuita e voluntariamente, a pessoas que tiveram Covid-19 e identificar possíveis sequelas deixadas pela doença, além disso, também foram realizados treinamentos práticos dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais capacitados pelo conselho.

Márcio Meira Brandão, fisioterapeuta e conselheiro do CREFITO-4 explicou que o principal objetivo do projeto é capacitar os profissionais e identificar sequelas em pacientes que tiveram COVID-19 "Nós queremos identificar na população as diversas sequelas da COVID-19 que sabemos que são várias, porque é uma doença sistêmica que pode gerar várias sequelas como perda de memória, alterações mentais, perda de força muscular que afetam a vida diária das pessoas. O nosso projeto tem o objetivo de capacitar os profissionais para identificar estas sequelas e uma vez identificados orientar à população para buscar a ajuda profissional porque tanto a fisioterapia, quanto a terapia ocupacional podem favorecer a melhora destes pacientes” disse.

O fisioterapeuta da Secretaria Municipal de Saúde, Cláudio Mardey Nogueira, que é delegado do CREFITO-4 explicou que o trabalho de capacitação dos profissionais da cidade já vem sendo desenvolvido e que a vinda do programa até a cidade auxilia ainda mais neste trabalho “Fiz questão de buscar o apoio da Prefeitura, que nos ajudou na divulgação e cedeu o espaço porque nós vimos a necessidade de ajudar estes pacientes com sequelas que se mantém depois do COVID-19, é importante este trabalho para as pessoas perceberem que as sequelas vão muito além das respiratórias” explicou.